Dupla caridade: Marido bate em morador de rua. Esposa ajudou mendigo e acabou transando com homem no carro dela; tudo filmado

Um personal trainer foi acusado de agredir um morador em situação de rua no Jardim Roriz, em Planaltina, no Distrito Federal.

Na madrugada de quinta-feira (10/3), o agressor, de 31 anos, teria flagrado a mulher tendo relações sexuais com o homem.

Câmeras de monitoramento do bairro gravaram a violência.

A matéria foi publicada pelo site Metrópoles.

Foi apurado que a companheira dele e a sogra saíram de casa a fim de ajudar o homem que estava na rua.

Depois as duas teriam se separado, mas o educador físico ficou preocupado com a esposa, já que não conseguia falar com ela pelo telefone. Ele, então, teria “orado e pedido um sinal de Deus” para encontrá-la.

O personal foi até o Centro de Ensino Fundamental Paroquial. Quando chegou mais perto, viu estacionado o carro em que a mulher havia saído. Ao se aproximar, flagrou a esposa e o morador em situação de rua fazendo sexo dentro do veículo.

O marido teria entrado no carro e começado a agredir o homem. À Polícia Civil do DF (PCDF) o personal declarou acreditar que se tratava de um estupro. No entanto, a própria mulher disse, aos policiais, que as relações foram consentidas.

A esposa do educador físico afirmou aos policiais que tinha interesse em ajudar pessoas vulneráveis por meio da igreja. No hospital, ela disse a um amigo que havia recebido uma “mensagem de Deus” para ajudar o homem com quem foi flagrada transando.

Todos foram conduzidos à 16ª Delegacia de Polícia (Planaltina), que investiga o caso. O morador em situação de rua também foi levado ao hospital. Ele apresentava machucados no rosto e estava com os dois olhos roxos. Apesar disso, ele passa bem.

O personal prestou depoimento e foi liberado. Ele poderá responder por lesão corporal.

Após a publicação deste texto, agressor se manifestou, por meio de nota enviada à reportagem, reafirmando que a mulher fora vítima de violência sexual.

Segundo ele, a mulher estava em surto psicótico e, assim, não teria havido relação extraconjungal consensual e sim um estupro.

O caso, porém, não foi registrado desta forma na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), que segue investigando a ocorrência.

Editado por Dinomar Miranda, via Metrópoles

Siga nosso Blog nas redes sociais e recebe as notícias da nossa região em primeira mão

Whatsapp

Telegram

Facebook

Instagram

WhatsApp Image 2022-05-14 at 19.43.05
WhatsApp Image 2022-03-28 at 14.50.12

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.